Av. Soledade, 569 – Bairro Três Figueiras+55 51 3378 9999
LIGUE AGORA

Nova cirurgia de hemorroida: sem corte e com menos dor

Publicação
29/4/21
This is some text inside of a div block.
This is some text inside of a div block.

A mais inovadora técnica de cirurgia de hemorroidas do mundo, muito menos agressiva do que as técnicas tradicionais

A THD,  Desarterialização Hemorroidária Transanal guiada por Doppler (Transanal Hemorroidal Dearterialisation), é uma técnica desenvolvida por uma empresa italiana que produz o equipamento utilizado na cirurgia - realizada sem corte e com menos dor, com rápida recuperação e mínimo risco de complicações pós-operatórias.

Caracterizada por um inchaço das veias e artérias do canal anal - com possível inflamação, hemorragia ou trombose - a doença hemorroidária atinge mais de 15 milhões de pessoas anualmente nos EUA e cria um desconforto muitas vezes curável somente com cirurgia.

A prevalência é igual entre homens e mulheres, mas homens tendem a procurar tratamento com mais frequência. Apesar disso, de acordo com estudos americanos, um terço dos pacientes com queixas consistentes de hemorroidas nunca foi ao médico. Talvez por medo da dor no pós-operatório e das complicações cirúrgicas.

O procedimento

As tradicionais cirurgias de hemorroidas contam com corte dos tecidos internos e remoção da veia desde o ponto onde nasce, ou com a remoção das hemorroidas internas por meio da utilização de um grampeador. No geral, essas técnicas são invasivas e provocam muita dor no pós-operatório, além de sangramento, risco de trombose das veias internas e externas e até rompimento de músculos.

No caso do grampeador – técnica considerada não invasiva – o risco de reincidência do problema e de um novo prolapso (exteriorização do reto através do ânus) continuam latentes e o pós-operatório ainda permanece com algum grau de dor e desconforto.

Já a nova técnica (THD), que é realizada sem corte, não tem risco de sangramento e de trombose e nem chances de rompimento de músculos, e permite ao paciente voltar para casa até no mesmo dia, com baixíssimo risco de complicações.

O Doppler é um equipamento de ultrassom que mede o fluxo sanguíneo pelo som. Durante a cirurgia, ele é inserido no canal anal do paciente para identificar o pulso. Com uma agulha que passa pelo seu interior (sem oferecer risco de lesão de tecidos), o cirurgião costura a veia em um ponto específico, cessando a causa da doença.

Pós-operatório

No pós-operatório das técnicas tradicionais, que são bem mais agressivas, muitas vezes os pacientes reclamam de dor por até 14 dias depois da cirurgia. Com o novo procedimento o retorno ao trabalho tende a ser mais precoce, em média ao redor de 5 a 7 dias, e a dor pós operatória invariavelmente é menor do que a observada nos procedimentos tradicionais, embora não se possa afirmar que não haverá nenhuma dor , já que a percepção de dor é variável para cada indivíduo .

Para tanto todos os pacientes recebem orientações específicas e medicações anti- inflamatórias e analgésicos.

Anestesia

Além de poder deixar o hospital mais cedo e de contar com um pós-operatório menos doloroso, a THD pode ser realizada com anestesia simples, apenas com analgesia e sedação. É seguro, eficaz, tem baixo risco e alta aprovação dos pacientes.

Vantagens

"A maior vantagem da técnica realmente é oferecer um pós-operatório tranquilo,. Além disso, oferece mínimo trauma tecidual, pouca chance de complicações pós-operatórias, é indicada para a maioria dos casos e requer apenas anestesia local e sedação, com internação de apenas um dia.

A THD já é utilizada na Itália, Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Portugal, Polônia, EUA e México, entre outros países e, no Brasil, está disponível para os pacientes do Dr Marcelo Kuhn.


ATENDIMENTO

Seg a Sex 9h - 12h | 14h - 18h

TELEFONE

(51) 3328 0004

ENDEREÇO

Av. Soledade, 569 | 1109 - Torre A

Três Figueiras - Porto Alegre/RS

MedCenter | Sua saúde em um só lugar

Conheça a clínica →

MEDCENTER

Últimas publicações

COVID-19 - A importância da revisão cardiológica
É possível viver até os 100 anos? 
5 dicas para uma boa higiene bucal